Papoula: planta usada para tratar insônia, prisão de ventre e inflamações

Inscreva-se no meu canal!

Papoula: planta usada para tratar insônia, prisão de ventre e inflamações

Papoula

A papoula é da família Papaveraceae, conhecida também como papoula dormideira, Seu nome científico Papaver somniferum L e suas flores possuem colorações vermelha, branca, lilás  ou rosa. A papoula é uma planta utilizada para obter o ópio, que é extraído do fruto ainda verde e contém morfina, codeína, papaverina e outras substâncias. Trata-se de um  látex parecido ao da seringueira.

Esta planta possui sementes muito utilizadas na culinária, porém, a aquisição das mesmas é supervisionado pela Anvisa no Brasil. As sementes são extraídas da papoula quando a planta seca, diferentemente do ópio. A semente não é proibida no país, mas uma plantação em longa escala não é legalmente liberada.

Há alguns anos, as sementes de papoula recebem aplicações medicinais. Na Mesopotâmia, eram consumidas como chá para tratar prisão de ventre e insônia, além de serem usadas para produção de remédios pelos babilônios e assírios. A morfina foi desenvolvida em 1803 quando Friedrich Sertürner estudou e constatou os efeitos do ópio.

Leia também: Esta planta medicinal ajuda a melhorar o desempenho mental

Sobre a relação com a insônia, deve-se aos alcaloides de ação sedativa. Então são realizadas infusões para reduzir ansiedade e estresse. Também é muito eficaz no combate a tosse, coqueluche, bronquites, asma e inflamações. A papoula ainda é usada para combater dores de dente já que possui ação analgésica.

Suas propriedades narcóticas e hipnóticas exigem que seu consumo seja controlado e seu cultivo caseiro deve ser mantido fora do alcance de crianças e animais.

Para consumir a papoula, é preciso preparar uma infusão com a quantidade de seis pétalas de papoula para uma xícara de água. Deixe a água ferver, desligue o fogo e acrescente as pétalas. Deixe repousar por aproximadamente dez minutos. Beba, no máximo, três xícaras por dia.

Agora, para preparar o xarope, a infusão exige 170 ml de água e dez gramas de pétalas secas. O preparo é como ao que foi citado, mas deve ser coado. Adicione 340 gramas de açúcar mascavo e mexa até que se forme a textura de um xarope. O ideal é consumir duas a quatro colheres de sobremesa antes de se recolher.

É importante lembrar que seu uso prolongado é contraindicado, devido ao risco de causar dependência.

Inscreva-se no meu canal!


Melhores